segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Yosemite National Park, CA - USA


Ainda em SF ,alugamos um carro e seguimos em direcão ao Parque Nacional Yosemite. Um dos mais famosos do país e mais cheio na época do verão. 
E quando é que fomos lá mesmo ?? Final de junho .... isso.
De SF até o parque a gente levou cerca de 4 horas.
O ingresso custa 20 doletas e é válido por 7 dias. Mesmo porque  é impossível conhecer o parque todo num dia só. A gente ainda recebeu um mapa e um jornalzinho sobre o parque.
Bom, da portaria até o estacionamento a gente levou só 2 horas.
O lugar estava LOTADO. Um calor dos infernos e o ar condicionado no ultimo pra manter a grávida menos inchada. 
Mas primeiro a gente encarou uma fila básica para lanchar. Uma pausa para o pipi e estávamos pronto, alias nessa viagem meu lema era, esvaziar um tanque, encher o outro e partir.
A primeira visita foi a Yosemite Falls, considerada a mais "alta" do país. 

Em seguida pegamos um bus do parque para visitar uma outra parte. Aliás há um apelo bem grande para o uso dos ônibus que rodam, gratuiatamente, dentro do parque. Use-os ! Vale a pena.
Próxima parada: Mirror Lake.
O horário do fim da tarde favoreceu a visita ! Mas a presenca de um muleque insuportável tacando pedra na água e acabando do com o efeito "Mirror" não ajudou muito. Anyway, conseguimos algumas fotos.


Isso já era umas 19:30h, quando a gente voltou para o ponto de ônibus onde encontramos um grupo de dinamarqueses que estavam esperando pelo shuttle a 1:20 minutos (detalhe: os ônibus rodam de 15 em 15 minutos) e sendo, junto com a gente e o restante da multidão, devorados por mosquitos.
Ai eu pensei, bom, se os negos estão aqui a tanto tempo, um ônibus pode aparecer a qualquer minuto, vamos esperar. 
Dito e feito. Apareceu. Mas parou bem longe do ponto só para o povo descer e passou batido por nós. Daí, comecou a revolta. Uma parte resolveu debandar. Mas eu com minha panca e meu cansaco, preferi ficar servindo de janta para os mosquitos por mais um tempo.
De repente uma luz no céu se abriu, anjos com trombetas desceram, pintaram um arco-iris na estrada e por ele apareceram, não um, mas DOIS busões.
Mas mesmo assim, na próxima parada, não cabia mais nenhum mosquito dentro e algumas das pessoas que pretendiam entrar no bus e foram barradas, acharam que esmurrar o ônibus e xingar o motorista ajudaria ….
Enfim, ninguém se movia nas estradas daquele bendito parque, nem pra frente, nem pra trás. Já era 20:30h e estava praticamente impossível de sair do parque. O motivo a gente não sabia, mas vimos umas viaturas dos Rangers passando a milhão na contra mão.
Quando chegamos no hotel, após as 22h, o restaurante já havia fechado. Felizmente um restaurante mexicano do outro lado da Estrada estava de portas abertas. A comida era tão boa, que voltamos lá no dia seguinte também para comer.
A gente ficou hospedado em Groveland, cidadezinha localizada a meia hora da entrada do parque. Os lodges do parques estavam completamente reservados até a metade de agosto. Mas o Groveland Hotel não deixou a desejar. Pessoal super simpático e um mega café da manhã incluído (alias o único hotel que tinha café incluído).
Em Groveland também se encontra o Saloon mais antigo da California.












Dia seguinte a gente voltou para o parque. Mas dessa vez estava mais tranquilo e a gente também foi visitar um outro lado do parque, o Glaciar Point.
Fizemos algumas paradas durante o caminho para fotos.



Quando chegamos no tal Point, para a minha decepcao, não havia glaciar porcaria nenhuma. Tipo, eu teria avistado alguma coisa se tivesse estado lá a uns mil anos atrás. Enfim. Mas a vista era bonita.

Nessa região deve nevar muuuito. Em pleno julho, com quase 30C, ainda tinha neve em alguns cantos.

Esse parque, assim como os outros que visitamos, oferece uma gigante opcao de caminhadas e trilhas. Mas devido a barriga e a falta de tempo foi impossível pra gente.
Próxima parada KINGS CANYON AND SEQUOIA PARK.

domingo, 29 de janeiro de 2012

São Francisco, CA - EUA



Nós nos encontramos com um casal de amigos de Oslo la em SF. Eles já tinham passado pela cidade e agora estavam no caminho de volta pra ‘casa’ visitando outros amigos. Enfim. Só pra dizer que eles reservaram o hotel pelo mesmo site que a gente usou (hotels.com) e ficaram no mesmo hotel e no mesmo quarto que a gente, 3 semanas antes hehehe. A localização era excelente. Na Union Square.

Eu já disse aqui antes, que gosto muitos dos guias do Lonely Planet.
Para as cidades maiores sempre tem uma caminhada recomendada por eles, passando pelos principais pontos turísticos ou por lugares interessantes.

Iniciamos nossa caminhada em China Town. A maior comunidade chinesa fora da China. Amei. O local é um microcosmo. As pessoas são chinesas, falam chinês e o ar tem cheiro de dim sum. 
 
Dragon's Gate, Portal de entrada para China Town
 




Portsmouth Square ou China Town living room
 Essa placa diz que se aplica uma multa de 1000 dólares para aqueles que alimentarem os pombos da praça !!!


Tambem visitamos uma fábrica de biscoitos da sorte. A Golden Gate Fortune Cookie Company.  A gente comprou uma versão com piadinhas adultas. 


Picantes, sexy, eróticas ? .... not really. 


Ainda na caminhada fomos xeretar numa farmácia chinesa. 


Lá, Anders comprou uma pomada pra tratar de um equisema que ele tinha na mão.
Fabrica de biscoitos da sorte

farmácia
lendo a bula ...
 Visitamos também o bar Vesuvio, frequentado antigamente por escritores famosos. 

 

Na sequencia, paramos para almoçar num restaurante italiano, na parte italiana do bairro, onde o cardápio inteiro contem alho, inclusive a sobremesa, sorvete de alho e bolos, que nao tive coragem de provar. Mas o coelho assado com batatas estava divino.

Eu achei legal o fato de poder viajar por esses paises (China e Italia) apenas atravessando a rua. De um lado china town, do outro a coisa muda de figura. Tudo italiano. 

Nossa caminhada prosseguiu até o Fishermans Warf. Parte costeira da cidade, entupida de turistas entupindo as mil e uma opções de lanche com pescado e frutos do mar fresquinhos da costa. Como a gente ja tinha se empanturrado de alho, fomos só dar uma volta.

Um lugar que eu achei mega divertido foi o Museu Mechanique.

Trata-se de um  museu cheio dos jogos em maquina da epoca da vovó. 

Mas a coisa ficou mais interessante depois que me toquei que tudo funcionava. Era só inserir uma moedinha de 25 centavos e voi la, as coisas mechiam, dancavam e falavam pra você.

Dia seguinte, fomos visitar a rua mais ingreme do mundo: Lombard Street.
Em seguida, foi a vez de visitar a Filmore Street, onde estava rolando um festival de jazz, de graça. La a gente se encontrou com nossos amigos e aproveitamos a tarde ensoladara ao som de um bom jazz.
Ao andar pela rua Filmore, durante o festival de jazz, a gente se deparou com isso.

Uma tiazinha, que juro, achei que fosse olhar a grossura dos meus dedos pra saber se ja poderia me comer cozida ou assada. Ela tinha voz de bruxa, cabelo de bruxa, nariz e dentes de bruxa. Meda. 
Mas estava la com seu fiel companheiro, Bear, e com a maior boa vontade do mundo arrecadando dinheiro para um associação protetora dos animais.
 Anders doou 1 doleta :-)

Bear, carregando as doações :-)

Férias de verão 2011, EUA - Washington, DC

Nossa primeira parada foi na capital da terra do tio Sam. 

O voo de Oslo até Nova Iorque foi tranquilo, mas o avião era meio podrex. A passagem pela imigração também foi rápida e indolor.
A gente ficou num hotel próximo Casa Branca. Naquela parte da cidade encontra-se a maioria dos prédios adminstrativos. 
Ruas largas, calçadas igualmente largas. Aliás, tudo é grande, ou extra grande por aquelas bandas. Os sorvetes, os carros, as ruas, as calçadas, as pessoas ….

Outra coisa que me pareceu bem americana (igualzinho aos filmes da sessão da tarde, rs) são os pedidos de comida. O povo gosta de pedir o que não está no menu, ou com trocentas modificacões. Até ovo frito tem catchigorias, sério. 
Mas o que me surpreendeu foi a educação das pessoas. Tanto das que trabalham, quanto dos turistas americanos. Muitos simpáticos, prestativos e sorridentes. 

Mas voltanto a DC. Anders estava a trabalho, então eu ocupei meu tempo visitando alguns dos museus da cidade. A maioria de graça. 

No domingo a gente visitou o Museu do Holocausto que foi legal e informativo e não tão depressivo quanto eu imaginei. Em seguida fomos ao Museu Internacional daEspionagem (pago). Bacaninha, mas mais voltado para o público infantil. 

Passeamos também em frente a alguns prédios famosos como a Casa Branca, Capitolio, FBI, entre outros. 
Casa Branca
FBI
 Na segunda eu encarei o Museu da Historia Nacional. Alguns setores eu gostei bastante, outros nem tanto. Os que contam a história das guerras, por exemplo, não me apetecem muito.
A boa parte é que museu é um lugar seguro para grávidas. Tem comida, tem ar condicionado e tem banheiro limpo e cheiroso. 

Aliás esse post será bem mixuruco com relação a fotos. Eu fiquei com preguiça de carregar a nossa camera pra cima e pra baixo :-(
 
Em seguida eu fui ao Museu de Historia Natural. Eles são todos iguais no mundo todo. Cheio de bicho empalhado. E eu, bem eu adoro hehehe.  
O repertório desse museu era bem legal e diversificado. No setor de geologia, mais especificamente das pedras preciosas e afins, mais da metade eram exemplares de Minas Gerais, Brasil. 

Na terça, foi a vez do Museu Indiano. Nesse eu consegui acompanhar uma visita guiada. O prédio desse museu difere dos demais de DC, que são grandes blocos de concreto cinza. 
O museu indiano foi pensado de forma Indiana. Entrada voltada pro lado que o sol nasce, janelas projetadas para refletir a luz de forma diferente durante os equinócios, paredes que parecem terem sidos esculpidas pelo tempo e pela natureza, etc. O museu traz informação de tribos de todo continente Americano. Mas eu não vi nenhuma mensão ao índio brasileiro, nadica. A não ser que estivesse em algum canto que eu não passei. 

Na sequência, dei um pulo no Jardim Botânico. Pra fugir do calor da rua e me refugiar no bafo das estufas. 

E depois segui para o Museu Nacional de Ar e Aerospacial. O favorito do Anders. Para mim nem tanto, rs. 
A parte que fala mais dos foguetes, planetas e espaço eu até gosto mais, mas a partde de aviões de Guerra ...zzzzZZZZZZzzzzzz.

Dia seguinte eu não fiz nada. Acordei com sono e dormi até a metade da tarde. Dei uma volta por Georgetown, tomei uma das minhas doses diárias de smoothie e pronto. 

 A noite a gente tava andando pela rua para achar qualquer lugar para comer.  Sentamos numa mesinha na calçada, pois estava uma noite bem agradável. Quando lá de longe, avistamos um husky siberiano com seu dono. Papo vai, papo vem, o ‘pai’ do Zeek sentou-se na mesa com a gente e jantamos juntos. Super gente boa o tiozinho.

Ultimo dia em DC, eu ainda tinha que matar um tempo pela manhã. Entao fui ao museu da National Geographic que fica do ladinho do hotel. Achei caro, pois só tinham duas expos e uma delas eu meio que sabia de cor e salteado: A corrida ao polo Sul entre Scott e Amundsen. A gente tem dvd, livro, tudo em casa sobre os negos. Anyway.

Chegando no aeroporto, filas, filas e mais filas. Corremos feitos uns condenados para nosso portão de embarque, e chegando lá ficamos quase uma hora e meia plantados, pois nosso voo para San Francisco estava atrasado. Básico.

Verão 2011

O verão no ano de 2011 deixou a desejar.
Muita chuva.
Nunca choveu tanto como nos últimos 100 anos.
A grama do quintal deve ter sido cortada umas 4 vezes só, porque só chovia.
Churrascos nos quintal a gente fez poucos.
Um deles foi para o aniversário de um ano de uma amiga e ela convidou muita gente. A festa tava marcada pra um sábado onde choveu canivetes, por sorte ela conseguiu com que todos viessem no domingo, que foi de sol.

Aqui, infelizmente, se você quer garantir uns dias de calor em junho, julho, tem que viajar para outro lugar.
A gente foi para os Estados Unidos, calorzinho básico de 40 graus !!!

Eu fui mais esperta dessa vez e fui escrevendo os posts durante a viagem. Depois foi só adicionar as fotos. Então, lá vai :-)

Kennel spring cleaning

Sim, a primavera é a época da faxina aqui nas Noruega.
Aliás, parece que só tem duas épocas, a primavera e o natal. O resto do ano eles não limpam as casas, :-P

A faxina dessa vez foi no canil.
Lavamos as casinhas por dentro e por fora, trocamos o feno em que eles dormem, eu o chamo de "floffy" e demos banho em todos os doggies.

Joey gosta de comer sabão. Sven também.
A única ali que estava acostumada com água e sabão era a Phoeboca.
Joey ficou rodeando todo mundo, enquanto a gente os ensaboava, ele ia lá e lambia a espuma dos colegas. Mas quando foi pra pegá-lo, dai o bicho saiu correndo, hehehehe.
Ensboando Joey. Orelhas baixas, rabo murcho. Uma alegria só. Só que ao contrário. A esq Happy Niclas


Sven, se auto secando

Trocando o floffy

Joey limpinho

Burquinha se secando ao sol :-)

Primavera 2011

Bom, assim que descobrimos a gravidez, os planos para o ano mudaram. Pelo menos alguns. Os relacionados a viagens.
Decidimos ir ao Brasil e mudar os planos para nossa viagem de verão nos Estados Unidos, como por exemplo cortar a parte da Disneilândia, na Califórnia, por exemplo.

Primeira parada, Brasil.
Fizemos nossa visita a Jundicity, Sampa e uma semaninha de praia em Floripa, pro Anders conhecer.

O tempo em Floripa estava bom, mas a água estava fria já, em marco. Deu pra gente relaxar bastante pra gastar as energias em São Paulo depois. 

Ainda em sampa, precisei cortar algumas coisas do menu por causa da barriga. Como comida japonesa, "bons drink", etc. Descobri que a cerveja sem álcool do Brasil é bem ruim, comparada com as daqui. Aliás, o médico daqui do controle da gravidez me faz o seguinte comentário, "ah, que eu tinha que tomar cuidado com a comida do Brasil, salada, frutas, essas coisas, pra não ficar doente". Sei lá, vai ver que o mais seguro, pra ele, seria eu levar a comida toda, daqui da Noruega, porque é a única que presta, sei lá.

Não vou  negar que gostei de ser paparicada, pela família e pelos amigos. Consegui rever grande parte deles, mas nem todos. 3 semanas só, com uma fora (em Floripa), não rende. 

Próxima para foi em Roma e Torino, na Itália, e em Grenoble, na Franca.
Em Roma fomos passear, em Torino, Anders tinha uma conferencia e em Grenoble fiz uma bate e volta maluco, só pra visitar minha amiga Sil :-)

Em Roma foi uma visita express, mas conseguimos visitar quase tudo o que queríamos. 
Adorei a cidade, cheia, mas gostosa. Fizemos todos os passeios a pé. Incluindo o meu favorito, "walking free tour". Procurei na net e encontrei dois, http://www.romefreetour.com/index.html , esse primeiro a gente abandonou o barco nos primeiros minutos. A guia era uma bosta. Tanto que agora que foi procurar o site pra por aqui, vi que eles nao tem mais o free tour, só o pago. O segundo, http://www.newromefreetour.com/nrft/homepage.html a gente gostou mais.

Para o Colosseum a gente também fez o passeio com guia la dentro, paga-se um pouco mais pelo ingresso. Mas vale MUITO a pena. Como já faz tempo, eu não me lembro de todos os detalhes, mas curti muito. Muitos animais foram mortos, muito sangue, muita briga, e porque não, muita diversão. Povinho estranho esses romanos, hehehehe. Aconselho a quem for, bookar os tickets pela internet para evitar as filas gigantescas e os precos astronomicos de ultima hora de alguns guias.

Colosseum por dentro Os lugares eram marcados nas arquibancadas, e essas ruinas ao centro embaixo, eram onde os animais e gladiadores ficavam antes das lutas. O piso acima era vasado para coletar o sangue.


Fontana de Trevi

Gelatos !!!!

Praca Espanha





Só não visitamos a Capela Sistina e o Vaticano. Nos recusamos a dar nosso dinheiro  pra igreja católica hehehe, fora que tinha muita, muita fila. Mas ouvi dizer de amigos, que é lindo e vale a pena. 


 Torino, eu fiquei sozinha durante o dia e fui pra Grenoble de trem. A gente andou um pouco pelo centrinho, ao redores do hotel e só. A cidade, Torino, é a cidade do chocolate. Existe até um "Chocolate pass" que você compra e degusta. Também, tive que evitar por causa da barriga. Mais infos aqui ó. Ah, também é a cidade de onde vem o Martini.

A viagem para Grenoble a partir de Torino, demora, é lenta, mas é bonita. A vista das montanhas com picos de neve é muito bonita. 
Esse ano essa conferencia em que o Anders teve em Torino, será em Grenoble :-)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O motivo ..

Pois bem teve um motivo que  me fez parar por um tempo com o esqui.
E esse motivo não poderia ser melhor. Eu estava grávida !!!!! Após anos de tentativa, tratamento (que espero postar algo a respeito aqui depois, para que as pessoas se informem e deixem de pensar que isso é assunto tabu), entrada em papelada para adocão, curso para ser guardião e os escambal, um pequeno milagre aconteceu.

Naquele fim de semana da viagem, eu já estava grávida e não sabia. Tomei umas brejas, esquiei, cai e rolei na neve :-) Alías, as duas amigas brasileiras que estava na viagem, também tiveram seus respectivos babies junto comigo. Uma delas tinha acabado de descobrir que estava grávida, poucos dias antes da viagem e a outra, ficou sabendo 1 semana depois de mim.

Enfim, esse foi o início da jornada e experiência mais emocionante e, porque não, bizarra e linda da minha vida :-)

E nove meses depois, nasce uma mãe.