domingo, 26 de dezembro de 2010

Segundo e terceiro dia de Serengeti



Dia seguinte, passeamos ainda mais pelo parque Serengeti.
Abaixo a foto da nossa barraca.


Eu achava que fóssemos acampar numa barraquinha com saco de dormir e tals, mas que nada. O negócio era 5 estrelas. A foto ficou ruim, mas dá ver pelo menos duas camas com rede, para proteger dos mosquitos, e ao fundo um chuveiro (com água quente!) e uma privada química. Pela manhã, eles também traziam água quente pra gente escovar os dentes. Durante a noite os animais (bufalo, zebra e outros) vinham se coçar contra as barracas ou simplesmente comer grama.

Nossa primeira parada foi no mesmo local do dia seguinte, onde o grupo de leões havia matado um bufálo. E lá estavam eles ainda, rolando de barriga cheia pelo sol e protegendo a carcaça dos abutres.

Passamos um bom tempo por lá e depois rodamos mais vários kilômetros sem ver muita coisa.

Muita vegetação e poeira.

O sol estava a pino e no horizonte a gente via aquele vapor subindo do solo, embassando nossas vistas. E alguns pontinho pretos.

Ao nos aproximarmos mais com o carro, vimos que se tratatava de um grupo enorme de Gnus. Muitos deles se espremendo para disputar um pedaço de sombra, embaixo das poucas árvores


 Próximo dali, um grupo de elefantes, na mesma situação.

Fizemos uma parada para o almoço, e no menu, as coisas de sempre: uma caixinha de suco, um ovo cozido (de gema branca ou cinza), uma laranja meio seca, um pedaço de melância meio esmagado, uma mini banana, um pão (as vezes com geléia dentro), dois biscoitos e um pedaço de frango frito. TODO SANTO DIA POR 6 DIAS CONSECUTIVOS ! O frango era muito saboroso (frito no oléo), mas depois do terceiro dia, eu não aguentava mais. O nosso guia carregava as caixas-marmitas no carro e a gente, sempre antes de abrir, tentava adivinhar o menu: "Hmmm, hoje talvéz teremos peixe ? Lazanha ? Coxinha ? Salmão?", yeah right ...
Já na janta, acho que ainda não comentei, era curry, ou de frango, ou de carne, ou de legumes. Nem preciso dizer que Raj do "The Bing Bang Theory" está corretíssimo quando diz: "I grew up in India, where no one has ever had a solid bowel movement".

Após o almoço fomos visitar a Hippo Shit Pool do parque.
Devido a escassez de água nessa época do ano e uma mega população de hipopótamos, vocês já conseguem imaginar. Mas enfim, após alguns minutos, a gente se acostuma com o cheiro.


 
Eles passam a maior parte do tempo imersos, uma vez que sua pele é a luz solar. Os hipopótamos são herbívoros, e durante a noite eles saem da água para se alimentar. Eles defecam e espalham suas fezes com o rabo com o objetivo de demarcar território.

Em terra eles são meio lerdos, mas na água são rápidos. Suas orelhas e narinas que podem se fechar, impedindo a entrada de água. Sua pele produz uma secreção que funciona como protetor solar, anti-séptico e anti-bacteriano. Alguns deles possuem uma coloração rosa e isso é devido a essa substância.
Eles tem uma mordida extremamente forte em torno de 810 kg, mais do dobro da mordida de um leão, que é seu único predador.
Toda a vez que eles "bocejam", estão na verdade mostrando seus dentões para intimidar outros machos. Ou seja, só os macho "bocejam".

Nessa mesma piscina, eles dividiam espaço com alguns crocodilos, mas eu  não conseguir avistar nenhum.
Na volta para o acampamento, bem próximo a entrada do mesmo, a gente viu o leão do dia anterior, agora com duas muiés. Eles só vão pro rala e rola quando a fêmea quiser.
Aí eu me pergunto, o leão, "coitado", fica lá esperando e sabe-se lá, quando é que vai rolar alguma coisa. Ele tem que estar preparado. O Anders sugeriu que ele deve ler escondido, atrás da moita, uma revistinha "leorótica" com fotos de leoas posando "nuas" com uma gazela ensanguentada na boca, ou rolando pelo mato com outras leoas, coisas desse tipo. Eu achei que isso faz super sentido e fiquei mais tranquila. A procriação está garantida!


Eles estavam deitados bem no meio da estrada. Isso porque tinha acabado de cair uma garoa e a grama ficou molhada. A maioria dos felinos não é muito fã de água, então preferem a terra, nessas circunstâncias.

No dia seguinte a gente seguiu para a Cratera do Ngorogoro Parque, que faz divisa com o Serengeti.

Mas ainda pela manhã, bem na porta da minha barraca lá estavam eles.
Com seus sobretudos e um sotaque meio russo-leste-europeu. Me ofereceram passaportes dos mais diversos e relógios em ouro.

Esse abutres são gigantes e feios. Mas simpáticos.

A caminho do Ngorogoro, tivemos que parar o carro e esperar que as hienas nos desse espaço, para seguir viagem :-)

As hienas estão no topo da cadeia, juntamente aos leões. Caçam em grupo e se alimentam principalmente de carcaças, achadas ou roubadas. Elas não atingem grandes velocidades quando correm, mas são resitentes e aguentam uma persiguição ao longo de vários kilômetros. São animais bem agressivos e os filhotes já nascem com dentes totalmente formados.
A dentição das hienas permite que elas possam quebrar os ossos em pedaços bem pequenos para facilitar a digestão e, consequentemente, absorção dos nutrientes das carçacas.