terça-feira, 5 de outubro de 2010

É relativo.

Quando digo que em São Paulo durante o inverno faz 14C, o povo daqui dá risada.
Mas agora que o outono chegou e o termômetro caiu pra 10C, o povo acha que está fazendo frio.
Já no fim do inverno, um dia de sol e céu azul e termômetro marcando 10C cravado, é motivo pra sair de camiseta e havaiana (sem brincadeira!).  

Ainda com relação a temperaturas ...
Toda santa vez que falo com alguém do Brasil, geralmente algum amigo ou alguma tia com os quais eu não falo todo dia, a pergunta é SEMPRE a mesma : "tá frio aí ? ". Aí sempre tento convencê-los de que não, não vivo dentro de um freezer o ano todo.

Ultimamente, pelas bandas de cá, ando fazendo curso e indo a algumas reuniões e por tabela acabei conhecendo um bando de gente que tem na ponta da língua a MESMA pergunta: "você mora aqui a quanto tempo?", eu respondo e na sequência: "de onde você é ? ". Pois sim, eu não tenho cara e nem sotaque de nada que eles possam identificar.
Viajando pela américa do sul, eu era sempre argentina. Aqui geralmente passo por espanhola ou italiana. Na Turquia, eu era turca, óbvio (lembro do povo, me abordando na rua em turco). Mas brasileira, jamais. Eles nem desconfiam.

Moral de estória: eu posso ser uma turca que deixei o país a 3 anos para morar na Noruega e que usa havaianas num dia de sol em pleno verão norueguês, mas deixo as tias do Brasil boquiabertas quando digo que estou de regata e berma aqui, no mês de julho, sendo que em São Paulo é inverno e faz 12C .

Pra fechar, fica a dica de algumas cantoras norueguesas que eu curto.Na sequência: Marti Larsen, Susanne Sundfør e Briskeby.





domingo, 3 de outubro de 2010

Reykjavík, Islândia



Reykjavík significa "baía fumegante" e esse foi o nome dado a cidade pelo norueguês que lá chegou, Ingólfur Arnarson. Pra saber um pouco mais sobre a história da cidade e do país, dá uma bizoiada no site da wikipédia, aqui.

O aeroporto fica a quase 1 hora de distância de Reykjavík, mas o serviço de translado te deixa na porta do hotel.

Ficamos hospedados na Galtafell, o prédio foi outrora a embaixada de Malta. Nosso quarto era, portanto, na garagem da embaixada de Malta. Dá pra ver, onde o Anders está na foto abaixo. Na verdade trata-se de uma espécia de mini ap, com sala, cozinha, quarto e banheiro.

Na primeira noite, com eu estava sozinha, fui dar uma voltinha na rua principal do centro velho e achar um lugar pra comer. Eis que me deparo com um café/restaurante brasileiro. Nem pensei duas vezes. Saborei um delicioso filé de frango a milanesa com arroz e feijão e tomei guaraná Antártica..ahhhhhh. Geladíssimo. Conversei um pouco com a irmã da proprietária, ambas brasileiras de Cuiabá. Dois dias depois voltei lá pra comer uma porção de minis (coxinha, risolis e esfiha) e mais guaraná.


No dia seguinte, Anders chegou as 7 da matina. A gente descansou pela manhã e a tarde fizemos um passeio chamado "Golden Circle" que abrange as principais atrações turísticas fora da cidade. Primeira parada foi o Parlamento Þingvellir, localizado no parque nacional de mesmo nome. Estabelecido em 930 e funcionou até 1789, é o parlamento mais antigo da europa. Mas o mais interessante desse lugar, pra mim,é o fato de que esse parlamento está localizado bem em cima das placas tectônicas americana e européia que se afastam 2 cm por ano. Aliás foi dessa forma que a ilha da Islândia surgiu das entranhas oceânicas e o território tem, desde então, se expandido.

do lado esquerdo a américa, do lado direito a europa

 Segunda parada foi para conhecer as "cataratas" de Gullfoss.
E a terceira parada foi para conhecer o falecido Geysir. Na verd
ade ele não está mais na ativa, mas tem um irmão mais novo que explode a cada 6 minutos. A água chega a superfície com uma temperatura acima dos 100C. Então eles recomendam que a gente não coloque o dedinho na água pra testar a temperatura :-)


 No dia seguinte não conseguimos agendar o passeio com os cavalos. Então fomos rodar os museus da cidade. Mas antes fomos nadar numa das inúmeras piscinas públicas da cidade.
A cidade toda é aquecida com água, que é bombeada no subsolo e redistribuída depois. O país conta com mais piscinas do que cidades.

Visitamos o "Reykjávík 871 +/-2". Os números representam o ano em que as ruínas do local foram contruídas. Portanto dentro do museu está a ruína do que se acredita ter sido uma casa. Nada demais no lugar e a entrada não é de graça.
Na sequência fomos almoçar no restaurante eleito o melhor hot dog da europa no ano de 2006. Tenho lá minhas dúvidas, mas tudo bem.

Depois seguimos até o museu ao céu aberto, Árbaejarsafn. Não tem nem comparação com o museu daqui, mas foi muito bacana ter tido um guia para  nos monitorar. A vida não era fácil no passado, especialmente num local onde o inverno é rigoroso. As mulheres trabalhavam muito e os homens ... bem, nem tanto. Foi legal também aprender como é que se tecia a lã naquela época. Achei esse vídeo no youtube, dá pra ter uma idéia.
No fim da tarde fomos até o Saga Museu. Um museu com bonecos de cera que contam a história do país. Bem bacana!

A noite, fomos num restaurante bem legal. Comida magnífica e, comparada com a Noruega, muito barata. Ah, na noite anterior o Anders degustou alguma das comidas tradicionais da Islândia: tubarão fermentado e cabeça de ovelha queimada e cozida. Por sorte não trouxeram a cabeça toda na mesa. Afe. Só um pedacico. Eu provei as duas coisas. Não é gostoso, mas é "comível".

Dia seguinte foi o dia da cavalgada. Os cavalinhos islandeses são muito fofos, fortes e pequenos. Mas não são pôneis, e sim, cavalos. Eles tem um jeito peculiar de se locomover, chama-se "tölt". Eles andam rapidinho mas sem trotar, mantendo sempre uma das patas em contato com o solo. Essa raça tem sido criada a mais de 1000 anos e se um cavalo deixa a Islândia não pode voltar NUNCA MAIS. Tadicos.
Existem diversos passeios para todos os níveis. A gente foi num chamado de "passeio dos elfos".
Os elfos são criaturas da mitologia nórdica, mas mais populares na Islândia (aqui os trolls, são mais famosos). Reza a lenda de que Deus viria visitar Adão e Eva, que tinham 11 filhos. Mas eles não tinham condições de vestir e arrumar a todos. Então escolheram duas crianças e esconderam as outras 9. Mas Deus sabe de tudo e ao terminar a visita disse que já que Adão e Eva tinham vergonha desses outros 9 filhos, então  eles (os filhos)  não deveriam continuar convivendo com os humanos e acabou por transformá-los em elfos.
Os Elfos, literalmente, dominam a Islândia. A influência é tanta que para construir rodovias ou prédios, um médium é convocado para se comunicar com essas entidades e pedir permissão para a construção das coisas. Se os elfos forem contra, eles não constroem e procuram por outra alternativa.



No último dia fomos visitar a Blue Lagoon. Um complexo de spa com piscina natural que fica a caminho do aeroporto. Um lugar bem relax e com todo a modormia que você quiser, só basta pagar por ela. A gente só curtiu a piscina ao céu aberto e foi bom demais.


Eu, se ou quando voltar pra Islândia, gostaria de ir para passar o ano novo. Eles são muito famosos por sua queima de fogos e acho que agregaria um passeio para ver a aurora boreal :-)