domingo, 26 de dezembro de 2010

Segundo e terceiro dia de Serengeti



Dia seguinte, passeamos ainda mais pelo parque Serengeti.
Abaixo a foto da nossa barraca.


Eu achava que fóssemos acampar numa barraquinha com saco de dormir e tals, mas que nada. O negócio era 5 estrelas. A foto ficou ruim, mas dá ver pelo menos duas camas com rede, para proteger dos mosquitos, e ao fundo um chuveiro (com água quente!) e uma privada química. Pela manhã, eles também traziam água quente pra gente escovar os dentes. Durante a noite os animais (bufalo, zebra e outros) vinham se coçar contra as barracas ou simplesmente comer grama.

Nossa primeira parada foi no mesmo local do dia seguinte, onde o grupo de leões havia matado um bufálo. E lá estavam eles ainda, rolando de barriga cheia pelo sol e protegendo a carcaça dos abutres.

Passamos um bom tempo por lá e depois rodamos mais vários kilômetros sem ver muita coisa.

Muita vegetação e poeira.

O sol estava a pino e no horizonte a gente via aquele vapor subindo do solo, embassando nossas vistas. E alguns pontinho pretos.

Ao nos aproximarmos mais com o carro, vimos que se tratatava de um grupo enorme de Gnus. Muitos deles se espremendo para disputar um pedaço de sombra, embaixo das poucas árvores


 Próximo dali, um grupo de elefantes, na mesma situação.

Fizemos uma parada para o almoço, e no menu, as coisas de sempre: uma caixinha de suco, um ovo cozido (de gema branca ou cinza), uma laranja meio seca, um pedaço de melância meio esmagado, uma mini banana, um pão (as vezes com geléia dentro), dois biscoitos e um pedaço de frango frito. TODO SANTO DIA POR 6 DIAS CONSECUTIVOS ! O frango era muito saboroso (frito no oléo), mas depois do terceiro dia, eu não aguentava mais. O nosso guia carregava as caixas-marmitas no carro e a gente, sempre antes de abrir, tentava adivinhar o menu: "Hmmm, hoje talvéz teremos peixe ? Lazanha ? Coxinha ? Salmão?", yeah right ...
Já na janta, acho que ainda não comentei, era curry, ou de frango, ou de carne, ou de legumes. Nem preciso dizer que Raj do "The Bing Bang Theory" está corretíssimo quando diz: "I grew up in India, where no one has ever had a solid bowel movement".

Após o almoço fomos visitar a Hippo Shit Pool do parque.
Devido a escassez de água nessa época do ano e uma mega população de hipopótamos, vocês já conseguem imaginar. Mas enfim, após alguns minutos, a gente se acostuma com o cheiro.


 
Eles passam a maior parte do tempo imersos, uma vez que sua pele é a luz solar. Os hipopótamos são herbívoros, e durante a noite eles saem da água para se alimentar. Eles defecam e espalham suas fezes com o rabo com o objetivo de demarcar território.

Em terra eles são meio lerdos, mas na água são rápidos. Suas orelhas e narinas que podem se fechar, impedindo a entrada de água. Sua pele produz uma secreção que funciona como protetor solar, anti-séptico e anti-bacteriano. Alguns deles possuem uma coloração rosa e isso é devido a essa substância.
Eles tem uma mordida extremamente forte em torno de 810 kg, mais do dobro da mordida de um leão, que é seu único predador.
Toda a vez que eles "bocejam", estão na verdade mostrando seus dentões para intimidar outros machos. Ou seja, só os macho "bocejam".

Nessa mesma piscina, eles dividiam espaço com alguns crocodilos, mas eu  não conseguir avistar nenhum.
Na volta para o acampamento, bem próximo a entrada do mesmo, a gente viu o leão do dia anterior, agora com duas muiés. Eles só vão pro rala e rola quando a fêmea quiser.
Aí eu me pergunto, o leão, "coitado", fica lá esperando e sabe-se lá, quando é que vai rolar alguma coisa. Ele tem que estar preparado. O Anders sugeriu que ele deve ler escondido, atrás da moita, uma revistinha "leorótica" com fotos de leoas posando "nuas" com uma gazela ensanguentada na boca, ou rolando pelo mato com outras leoas, coisas desse tipo. Eu achei que isso faz super sentido e fiquei mais tranquila. A procriação está garantida!


Eles estavam deitados bem no meio da estrada. Isso porque tinha acabado de cair uma garoa e a grama ficou molhada. A maioria dos felinos não é muito fã de água, então preferem a terra, nessas circunstâncias.

No dia seguinte a gente seguiu para a Cratera do Ngorogoro Parque, que faz divisa com o Serengeti.

Mas ainda pela manhã, bem na porta da minha barraca lá estavam eles.
Com seus sobretudos e um sotaque meio russo-leste-europeu. Me ofereceram passaportes dos mais diversos e relógios em ouro.

Esse abutres são gigantes e feios. Mas simpáticos.

A caminho do Ngorogoro, tivemos que parar o carro e esperar que as hienas nos desse espaço, para seguir viagem :-)

As hienas estão no topo da cadeia, juntamente aos leões. Caçam em grupo e se alimentam principalmente de carcaças, achadas ou roubadas. Elas não atingem grandes velocidades quando correm, mas são resitentes e aguentam uma persiguição ao longo de vários kilômetros. São animais bem agressivos e os filhotes já nascem com dentes totalmente formados.
A dentição das hienas permite que elas possam quebrar os ossos em pedaços bem pequenos para facilitar a digestão e, consequentemente, absorção dos nutrientes das carçacas.

domingo, 28 de novembro de 2010

Parque Serengeti, Tanzania

Karibu (bem vindo)!

Gentem, só pra avisar, esses posts vão ficar compridos, pois eu vou colocar as fotos em tamanho grande e escrever um pouco sobre o que aprendi a respeito de cada animal.

No dia seguinte, domingo, a gente saiu cedo com destino ao Parque Nacional do Serengeti. Naquela noite de sábado, o celular do Anders sofreu a mudança de horário que ocorreu aqui na Noruega. Ou seja, a gente saiu do quarto com uma hora de atraso e quando chegamos na recepção do hotel tava todo mundo esperando a gente. No fim, consegui uma salsicha e um pão seco pra comer no carro como café-da-manhã.

"O Parque Nacional de Serengueti é um parque nacional de grandes dimensões (cerca de 13.000km²), no norte da Tanzânia. Ele é famoso pelas migrações anuais de gnus, zebras e gazelas que acontecem de maio a junho. No Parque vivem mais de 35 espécies de grandes mamíferos como leões, hipopótamos, elefantes, leopardos, rinocerontes, girafas, antílopes e búfalos. O parque também possui hienas, chitas, macacos, além de mais de 500 espécies de pássaros. Serengueti, na linguagem da tribo dos masaai significa "imensas planícies" (fonte Wikipédia).

Com exceção das 500 espécies de pássaros eu diria que a gente viu TODOS os outros animais acima listados :-)

A caminho do Serengeti a gente visitou a tribo dos Masaai que vivem dentro do parque Ngorogoro e um pequeno museu que diz ter "provas" das pegadas do primeiros humanos da terra, mas isso eu vou falar num post a parte.

O parque é composto por planícies imensas e por causa da seca a vegetação estava bem baixa. Árvores existem, mas são poucas.

sombra do nosso carro
De repente nosso guia começou a seguir em direção das árvores, uma aqui, outra láaaaa longe.
Aí a gente perguntou o porquê e ele disse que os "gatos" gostam de se deitar a sombra e talvez tivéssemos chance de avistar qualquer coisa. E voi lá, nosso primeiro animal: "Cheetah" ou guepardo.
Físicamente ele é parecido com o leopardo. As almofadas das patas têm ranhuras para tracionar melhor em alta velocidade, e sua longa cauda serve para lhe dar estabilidade nas curvas. Eles podem ser identificados pelo padrão exclusivo de anéis existentes em suas caudas. Da cabeça pequena, "escorrem"  dos olhos duas linhas negras ou "tears line" que servem para absorver o calor e não atrapalhar na visão do animal que consegue focar em sua caça a 5 km de distância.

É um animal predador com uma estratégia simples: caçar as suas presas através de perseguições ao invés de emboscada ou em grupo. Consegue atingir velocidades de 115 a 120 km/h, por curtos períodos de cada vez, sendo o mais rápido de todos os animais terrestres.
Os guepardos machos vivem sozinhos ou em duplas. As femêas tem a tarefa de criarem os filhotes (geralmente de vários pais) sozinhas. São animais independentes, ou seja, não vivem em grupos grandes.
Guepardo
Após alguns kilômetros e algumas árvores, avistamos mais dois guepardos numa árvore.
  
 O que estava em cima da árvore resolver fazer um totô lá de riba. Já o que estava embaixo, resolveu marcar o território dando uma urinada na arvóre.


A seguir, zebras.
Elas vivem distribuídas por famílias: macho, fêmeas e filhotes. Se alimentam de pasto e seus principais predadores são os leões e as hienas.
Para mim, esses animais são muito elegantes devido a presença dessas listras tão características :-)
As listras pretas e brancas são dispostas na vertical, exceto nas patas, onde se encontram na horizontal. Sua distribuição no corpo de cada animal é única, comparada com a digital humana. Essas listras escurecem com a idade. Além do mais, as listras brancas permitem manter o animal não tão aquecido, dissipando cerca de 70% do calor. Outra função interessante dessas listras é a camuflagem.
As zebras só andam em grupos, e para um leão fica complicado saber onde começa uma e termina a outra, ou seja, a noção de tamanho da sua presa é alterada. Sendo assim, é bem comum avistar grupo de guinus juntos com as zebras. Os guinus são muito espertos para achar água ou seguir a rota da chuva, equanto que a zebra serve de proteção contra os predadores.


Grupo de zebras e guinus

Se você reparar bem, tem uma zebra com 4 patas e meia :-P

 Depois disso seguimos no carro por muito tempo sem avistar nada, quando de longe Frank falou que achava que tinha visto um pássado no meio do mato. Oska fez um pequeno retorno, e o que a príncipio parecia uma pássaro na savana, nada mais era do que as orelhas de uma leoa com seu grupo.


Continuamos nosso trajeto e de repente avistamos vários carros parados láaaaa na frente. Oska acelerou, e pra nossa surpresa nos depearamos com a seguinte cena:

Esse grupo de leoas e filhotes tinham acabado de preparar o jantar do dia, búfalo. Tinha uns 15 animais no grupo.






Essa é a líder do grupo e possui uma coleira para ser monitorada pelo grupo de pesquisa.

Uma das coisas que mais me impressionou nessa cena foi o fato desses leões não estarem nem aí pra gente. Eles tinham comido tanto, mais tanto que o cérebro estava em estado letárgico.

Os leões andam em grupos. Geralmente fêmeas e filhotes. Os macho só aparecem para acasalar ou são solitários no grupo. As fêmeas caçam, pois o macho é muito grande e mais lerdo. As fêmeas tem a árdua tarefa de apresentar seu filhotes ao machos, que por sua vez, se estiverem num dia de mal humor ou "desconfiarem" que não seus filhos legítimos, podem abocanhá-los de uma só vez. Se isso acontecer a fêmea entra no cio. Essa é uma das formas do macho forçar a disseminação de seus genes.

Já a caminho do nosso acampamento, Oska recebeu uma info no rádio. Um possível leopardo em cima de uma árvore. E lá fomos nós. A princípio, a gente só via uma árvore grande e mais nada. Mas não sei quem lá em outro carro, jurou que havia avistado uma orelha ou um pedaço do rabo. No fim, Oska dirigiu o carro até abaixo da árvore e lá estava o gatinho. Valeu pela foto, mas quebramos uma das regras do parque que é sair fora da estrada e dirigir off-road.

Os leopardos são os primos mais próximos da onça. Possuem as pernas mais curtas e tem um cranio maior. É bem hábil no quesito de escalar árvores e forte o bastante para carregar carcaças pesadas. Outra especialidade do felino e saber se camuflar.

Enfim, o dia já chegava ao seu fim e para despedida, um búfalo nos aguardava na entrada do acampamento onde formos muito bem recebidos :-)

Búfalo africano
 Esse aí estava na companhia de mais um macho, esses grupos são denominados de "bachelor groups" ou grupo dos solteiros. As fêmeas e seus filhotes vivem em grupo maiores na companhia de um macho dominante que ganhou seu estatus após lutar com outros para ter o privilégio de cruzar com a fêmea. Os filhotes tem uma grande ligação com suas mães, até quando elas tem o próximo filhote. Sob ataque de predadores, os filhotes são mantido no meio do grupo, para sua proteção.
Anders, na cozinha/recepção do acampamento selvagem dentro do Serengeti

sábado, 27 de novembro de 2010

Hakuna Matata ! Tanzania


"Jambo, how are you?"  :-)
Essa foi uma das frases que mais ouvi lá na Tanzânia.

Pois bem, nossa viagem de duas semanas a Tanzânia e Zanzibar foi muito legal, com algumas exceções que comentarei mais tarde.
Sobre o país, dêem uma  lida no que a wikipédia diz a respeito, é bem curtinho. Aqui ó.

Antes de fechar qualquer coisa com relação ao passeio eu resolvi dar uma pesquisada nos preços. No fim das contas, ir por conta ou por pacote dava no mesmo. Então fomos de pacote.
Saímos de Oslo com uma parada em Amsterdam, na qual só tivemos tempo de atravessar o aeroporto correndo e mais nada, seguindo para Nairobi no Quênia. Escala de 5 horas e depois mais um aviãozinho até Kilimanjaro, Tanzânia.
20h depois de ter saído de Oslo, sobrevoamos o monte Kili, que pro meu azar estava todo incoberto por nuvens, ou seja, eu só fui ver o monte nas embalagens de cerveja e de água mineral.
Após checarem nossos cartões de vacina contra febre amarela e o pagamento de 50 doletas, encontramos com nosso guia, Oska, que estava nos esperando juntamente com Frank, um alemão que fez parte do nosso grupo.
Mais 3 horas de viagem de carro e chegamos em nosso hotel. Mortos de cansaço, tomamos um banho, jantamos nosso primeiro  (de muuuuuitos) "chicken tikka" e cama.

Dia seguinte: Lake Manyara
O nome do lago provém da palavra Masaai "emanyara" que é um tipo de planta encontrada nessa regíão.
Assim que entramos no parque, dentro do carro, fomos recebido por uma família de elefantes :-)
O lago em si é gigante, mas estava bem reduzido por causa do período da seca, ou seja, os grupos de flamingos, que eu particularmente adoro, estavam bem distantes. Mas mesmo assim vimos muitos animais.
Abaixo alguns cliques.

Elefante



Hippo, zebras, guinus, e outras aves na beira do lago


Hippos


Pumbas !!


Zebras


Girafa


Timão :-) (esse não é o suricati "original"  é um primo dele)


Bambi


Procissão de macacos seguindo nosso carro


de carona


Ao final do dia fizemos uma parada para visitar um orfanato que ficava no "bairro" do nosso hotel.

Esse bairro na verdade é um vilareijo, com várias lojinhas na beira da estradas, alguns mini mercados e centenas de "saloons" caso você resolva dar um tapa na cabeleira e mudar o visu.
Na beira da estrada também avistei alguns outros orfanatos, que só por deus. Um comodo caindo aos pedaços, na beira da rua, sem porta, sem janela e com crianças dentro. Um pecado.
Esse outro que  nós visitamos é bem organizado.
A dona começou com apenas 5 crianças e hoje tem 56, dos 0 aos 15 anos. Lá, as crianças vão a escola, aprender a plantar e cuidar de animais domésticos. 5 dessas crianças são portadoras do vírus HIV, mas recebem medicação e vivem normalmente. Infelizmente essas crianças não são postas para adoção e a dona não soube me dizer o porque. Ela nos mostrou os aposentos, quartos, cozinha, quintal. As crianças cantaram pra gente e algumas grudaram na gente :-) Para entrar em contato com eles para fazer uma doação segue o email: shalomchildren2006@yahoo.com Tudo me pareceu  muito organizado e feito de coração. Qualquer ajuda é bem vinda :-) O objetivo é poder expandir o terreno e ter capacidade de abrigar até 100 crianças. Muitas delas abandonadas pelos país, ou orfãs do HIV.

quartos, eles precisam de doações para comprar telas para proteção contra malária



Apesar do calor infernal, a maioria das crianças estava de blusa de mangas compridas. Não sei se é pra proteger contra os mosquitos infectados ou o quê. Ao fundo pendurado no varal estão os uniformes escolares. Eles são de lã !!!! Todos os alunos que vi por todos os lados usam uniformes de lã.

Quase me esqueço, algumas fotos de um grupo escolar que também visitou o Lake Manyara no mesmo dia que a gente.
E próxima parada:  Parque Serengeti.