quarta-feira, 22 de abril de 2009

Edimburgo - Escócia

Saudações galera !!

As coisas por aqui estão tudo bem, tem feito uns dias de sol bonitos e quentes (12C). Agora são 9 da noite e ainda está claro. A gente resolveu o problema da claridade no nosso quarto, colocando um blackout na janela e uma porta (!!!) assim conseguirei dormir nesse verão, MAS o problema agora é a Phoebe, que no inverno dormia até as 7 e agora pula em cima da gente antes das 6 da matina. Oh well ...

Enfim o post é pra contar sobre a Escócia ! Passamos a semana da páscoa lá. Começamos por Dublin na Irlanda (depois escrevo sobre lá) e em seguida seguimos para Edimburgo, onde alugamos uma caranga e viajamos por mais de 1500 km. Sendo que a Escócia é pequenina, diria que rodamos a maior parte dela.

Mas voltemos a Edimburgo. Ai, ai ... Buenos Aires (minha cidade predileta) tem que dividir espaço com Edimburgo agora. Gente, essa cidade é linda pra cacete. Ela é antiga, romântica, histórica. Eu diria que é um MUST GO se você está na europa. Vai de ryanair, baratinho.

Em Edimburgo ficamos no Edinburgh Central hostel, do qual eu não curti muito. Tivemos problema com reserva, o quarto era frio. Não gostei. No restante da Escócia só habitamos Bed & Breakfast, muito bons por sinal, todos.

Infelizmente tivemos pouco tempo em Edimburgo, pois tive uma viagem de negócios até Glasgow. Mas o que valeu a pena foi fazer o free tour pela cidade.
Esses free tours existem na maioria das grandes cidades européias, e sempre saem de frente a um Starbuck mais próximo do centro. Como o próprio nome diz, é di gratis, e no final se vc estiver satisfeito, vc paga o quanto quiser.
O free tour durou cerca de 4 horas e nosso guia era o máximo.
Eu não vou conseguir lembrar de todas as histórias que o nego nos contou, mesmo porque perde a graça para vocês que com certeza vao até Edimburgo :-)
Rodamos o centro histórico, com alguns monumentos importantes e igrejas. A época da caça as bruxas nessa cidade foi foda e muita gente foi morta em público nesses monumentos e praças.
Aliás, o castelo da cidade fica num morro e abaixo desse morro antigamente era um rio. Um rio de bosta, pra falar a verdade. Não havia sistema de esgoto, então todo dia às 10 da noite o povo arremessava os baldes cheios de dejetos pelas janelas, e não podia escorrer pelas paredes, porque senão ficava feio. Antes de arremessar a merda toda, eles gritavam "gardy loo" (baseado em Gardez l’eau, em francês, cuidado com a água !), nesse caso, loo é usado até hoje pra se referir ao banheiro. E enfim, ai do nego que viesse bebum de um pub qualquer e nessa horas não ouvisse direito ... hehehe é dai, alías que vem a expressão "shit face".
Essa bosta toda escorria ladeira abaixo e se acumulava no Tietê local. E nesse rio eles custumavam jogar as mulheres suspeitas de serem bruxas. Se vc fosse uma, vc nao afundaria na merda, por motivos de forças ocultas e misteriosas. Logo, as pobres coitadas que usavam aquelas saias imensas, com armação, saiote e o caramba a quatro, não afundavam na merda e acabavam queimadas em praça pública.

Também avistamos uma escola que parece um castelo, foi construída com a grana de um ricão que não deixou herdeiros, mas ela serviu de inspiração para que J.K. Rowling escrevesse sobre Hogwarts. Sentada num dos cafés da cidade, ela tinha a vista pra essa escola, e lá começou a escrever o primeiro livro.
Próximo a esse café fica o cemitério Greyfrias. Lá além das ossadas e fantasmas (escocês AMA um fantasma) tem também uma lápide em homenagem ao cão Bobby. Bobbyyyyyyyyy era um Skye Terrier, que pertenceu por 2 anos a um policial e este, quando morreu foi enterrado no Greyfrias. Bobby ficou no túmulo do seu master, no primeiro dia, na primeira semana, e por meses. Até que o zelador do cemitério resolveu adotá-lo. E Bobby continuou sua visita diária ao túmulo do seu master por 14 anos !!!! Quando Bobby morreu de velhice, queriam enterrar o pobre coitado, aonde, aonde ???? ao lado de seu master, nada mais justo. MAS não, em solo de igreja vc só pode ser enterrado se for gente. Então enterraram o coitado do Bobby em outro lugar, mas no cemitério colocaram uma lápide, onde várias pessoas deixam cachorrinhos de pelúcia e gravetos.

Üm outro costume das antigas na cidade era com relação a segurança. Aqui na terra dos vikings, as casas antigas tinham uma porta bem pequena. Não que as pessoas fossem pequenas, mas reza a lenda que se vc fosse um ladrão teria que abaixar pra entrar na casa e nisso o dono poderia estar do lado de dentro com um machado pronto pra decepar sua cabeça que já estaria na posição. Em Edimburgo eles usavam um truque nas escadas. No centro, dá pra ver um pedaço dela num dos prédios. Os negos construiam a escada e com um degrau falso, um degrau pequeno no qual seu pé não cabia. Então vc, sua família e criados sabiam do tal degrau, mas o ladrão não. Emfim, uma dessas casas com essa escada com esse degrau, era um ponto turístico até pouco tempo. Podia-se subir a escada onde o décimo primeiro degrau era o falso. Visitem a casa do décimo primeiro degrau. Você está a entrar a casa do décimo primeiro degrau. Essa é a escada do décimo priemiro degrau. Vocé está a 3 degraus do décimo primeiro degrau. Atenção. Cuidado. Está chegando, cuidado. Aí está o décimo primeiro degrau. Cuidado.
E mesmo assim, com todos esses avisos, alguem caiu do maldito décimo primeiro degrau. Meteu um processo no dono da casa, que foi fechada para os turistas.

Pra finalizar, fizemos um tour noturno. Um ghost tour. Como eu já tinha dito, eles amam fantasmas. Todo lugar lá é assombrado. MAs esses ghost tours noturnos visitam os lugares mais assombrados da cidade com poltergeisters e tudo mais.
O ponto alto do passeio são umas salas que ficam no subsolo da cidade. Eram uns cubículos, sem janela, sem luz, sem água, sem nada. Frias e umidas, onde centenas de pessoas pobres habitavam. A média de vida dentro desse lugar era de 18 meses.
A guia nos leva no escuro e conta histórias assustadoras. Eu não vi e não senti nada. No creo en brujas, pero que las hay, las hay.

Depois de Edimburgo, pusemos o pé na estrada. Paisagens belíssimas, pessoas hospitaleiras e castelos esperavam por nós :-)





antigo rio de merda, onde tudo brota hoje em dia.
mais fotos aqui









quarta-feira, 1 de abril de 2009

1. Abril

Essa semana, parece que todos dias são primeiro de abril.
Ou pelo menos, eu gostaria fossem :-P
Tudo o eu toquei com as mãos, virou merda, ou se já estava no estado de merda, veio a feder.
Equipamento que quebrou, equipamento que parou no meio da análise, resultado contaminado, resultado reportado errado, etc, etc. Todo dia alguém bateu na minha porta, ao menos 2 vezes, pra dizer que eu tinha feito alguma coisa de errado, ou alguma coisa errada (feita por outra pessoa) estava a caminho das minhas mãos.
Qualquer coisa que ocorra fora do normal dentro as análises tem que ser reportado num formulário. Eu escrevi uns dois por dia, pra ser ter uma idéia, e ainda faltam dois pra amanhã. O lado bom, é praticar meu norueguês escrito :-P
Semana que vem é o feriadão da páscoa aqui, é feriado oficial desde quinta até segunda depois do domingo da páscoa. E tudo é pra ontem. A polícia só falta querer o resultado do dna antes que o fulano cometa o crime, impressionante.
E hoje pela amanhã, encontro na minha caixa do correio interno uma mensagem sobre nossas férias de verão, dizendo que todos teriam que tirar no máximo duas semanas de férias entre os meses de julho e agosto. Eu quase tive um infarto do miocárdio.
Fui direto pra sala da chefa, e ela disse que não precisava me preocupar, achei estranho e perguntei se nosso grupo, do lab, não estava incluído, ela deu um sorrisinho e, pela cara que eu fiz (acho que ela ficou com dó) entregou o jogo ... era apenas uma brincadeirinha de mal gosto do 1. de abril.
Foi bom, por um instante, fechar os olhos e pensar: "isso não está acontecendo".
A alegria é que me safei de trabalhar o único dia necessário durante a semana da páscoa. Tô cheia de hora extra e vou viajar.
Sabadão estamos embarcando para Dublin na Irlanda e depois seguiremos pra Escócia. Lá, a gente vai rodar de carro (vai ser engraçado dirigir do lado direito rs) por várias cidades e lugares. Não vejo a hora :-)

Ah, espero que vocês aí tenham participado do "Earth hour" no sabádo passado. Nós, aqui , fizemos nossa parte :-)

Respondendo a um comentário de um leitor (fino, né ?) sobre o bacalhau ...

Rauzi!o, pergunta : "Dúvida: come-se muito bacalhau norueguês na Noruega? Tipo, ok, bacalhau norueguês aí só se chama "bacalhau"... mas faz parte mesmo do menu? Ou é como a nossa feijoada, que metade não come e a outra metade só come de quarta-feira? rs"

Rauzi!o, seguinte ... aqui come-se muito bacalhau fresco, que se chama "torsk" em norueguês (vc também pode dizer que o fulano é um "torsk" que equivale ao nosso "tosco").
O torsk fresco não tem o mesmo sabor do bacalhau salgado. Aqui eles chamam de "bacalao" (quando ouvi essa expressão pela primeira vez, comecei a rir a norugada não entendeu nada) o prato feito com o peixe, aí no Brasil, a gente fala bacalhoada. Mesmo porque não se encontra bacalhau fresco aí, e eu não saberia dizer o nome desse peixe em português.
O bacalao ou a bacalhoada não tem dia certo para ser comido, mas o povo faz mais durante o inverno e é bem parecido com o estilo brasuca/portuga, com batatas, tomate e azeite de oliva. Logo o bacalao não é uma receita típica norueguesa, e eles dizem que é uma receita espanhola, então tá né.
Já o torsk fresco, cozido e servido com legumes e um molhinho de manteiga e salsinha é um prato norueguês típico de natal da região de Stavanger.
Mais uma curiosidade, o torsk salgado (nosso bacalhau) chama-se "klippfisk" em noruga :-)
Logo, se vc quer tá afim de um bacalao, vc deve usar klippfisk.