quarta-feira, 25 de junho de 2008

Coming soon ...




Amber !!!!

Nossa husky siberiana.

Iremos buscá-la em 2,5 semanas na Suécia (8 horas de carro, só quero ver ...).

Mas ela não é a coisa mais linda ?!











Nexus !!!

Nosso british short hair cat (nunca tinha ouvido falar nessa raça antes) !!!
Segundo a criadora ele é o terror de todos (no bom sentido).
Vamos buscá-lo em 6 semanas, aqui em Oslo mesmo. Até lá Amber terá um curto reinado de algumas semaninhas :-)
Pronto, 3 posts num dia, agora volto para minha vida de sofá, sorvete e LOST (graças à minha amiga Nara :-) )

meia noite

Foto tirada exatamente a meia noite do dia mais longo do ano aqui ... 21 de junho.
Não ficou lá aquelas coisas, mas eu estava com sono e sem lentes de contato (num conseguia nem focar ...rs), mas tá aí. Nessa terra dos 8 (sol até as 3 da tarde) e 80 (sol até meia noite).

Pamukkale


Fizemos uma viagem bate-volta até Pamukkale, saindo de Antalya.

Nos buscaram às 4:30h da matina e nos devolveram ao hotel às 00:30h.

Vinte horas de viagem num mini bus. Afe.

Mas valeu a pena.

Pamukkale ou castelo de algodão, trata-se de umas formações de carbonato de cálcio. A água do local é rica em vários minerais e contém CO2 que quando borbulha na superfície,em contato com o cálcio, forma o carbonato.

Infelizmente, o local não está com tantas piscinas naturais, porque alguns hotéis contaminaram a rede com esgoto e eles tiveram que bloquear alguns pontos.

De qualquer forma, o lugar é fantástico. Está localizado numa das cidades que um dia foi do império romano. Hierápolis, que na verdade foi uma mistureba de judeus, romanos e cristãos. Há várias ruinas e tal. Era um centro de cura, pois acreditavam que a água que lá brotava, com muitos mineirais, fosse boa. Tem até hoje uma piscina sagrada. Dizem que Cleópatra nadou lá.

Mas essa água era tão boa que do ladinho está Necrópolis, o cemitério. Enorme, se extendendo por quilometros ... o que põe um pouco em dúvida a crença de cura do lugar ...rs.

Fez um calor insuportável. Acho que bateu na casa dos 40C. A piscina sagrada tinha uma água refrescante à 36C. Eu resolvi não pagar e ficamos perambulando pelas ruínas.

Na volta tivemos um quiz no busão. Nós ficamos em segundo lugar (erramos a pergunta sobre o tempo de serviço militar na Turquia ...hehehe afe), mas ganhamos uma lembrancinha assim mesmo.

Foi um passeio mega cansativo, mas eu recomendo :)

http://prikoh.multiply.com/photos/album/82

domingo, 22 de junho de 2008

Göreme




Fomos de avião de Istanbul até Kayseri, onde pegamos um bus até Göreme.Segundo o Lonely Planet, "se alguns lugares são mágicos, Göreme é um deles". Eu assino embaixo.

Göreme é um pequeno vilarejo formando, fundamentalmente, por suas "Fairy Chimneys". Essas chaminés são formadas de uma rocha macia (derivadas de um derramento de lava a não sei quanto tempo atrás, e que com o tempo foi afundando e formando as chaminés), que permitiu que as pessoas escavassem por dentro dessas chaminés e contruíssem, casas, igrejas, cidades subterrâneas e tudo mais.

O nosso quarto na pousada, obviamente era numa chaminé :-). A pousada ficava num ponto alto da cidade com uma vista linda, tanto durante o dia quanto a noite.

As atrações principais do lugar são o museu ao céu aberto e passeios com balões, que infelizmente não fizemos.

O museu é uma coleção de igrejas e incríveis afrescos feitos por monges que lá viveram muito tempo. Eles produziam vinho, tinham horta e animais. Com o surgimento do iconoclasmo, muitos afrescos tiveram os rostos dos personagens bíblicos destruídos. No primeiro dia nós alugamos bikes e fomos até o museu e depois fomos fazer uma trilha. Voltamos com lama até na orelha porque estava chovendo e a trilha parecia mais um rio.

No museu passamos pela loja de suvenirs, repleta de coisas lindas e até baratas, mas não dava pra comprar muita coisa por conta de transportar pra casa. Enfim, vimos um porta chaves lindo, em madrepérolas pendurado numa parede com mais outras coisas. Num degrau, em frente a parede, mais coisas. Eu queria ver o preço do porta chaves, e subi no degrau, perdi o equilíbrio e tentei me apoiar na parede, que na verdade era falsa. Gente do céu, que quase caiu tudo. O Anders foi rápido para me segurar e segurar a parede. Eu tremi por uns 20 minutos sem parar. Mas não quebrei nada. afe que situação.

No outro dia fizemos um passeio com guia até Avanos (cidade com muitos artigos em cerâmica, tudo o zóio da cara), Ürgup, onde paramos num restaurante maravilhoso escavado dentro de um monte e de quebra fomos para Kaymakli visitar a cidade subterrânea.

Fantástica.

Gigante.

Dos 7 andares subterrâneos, a gente só tem acesso aos 3 primeiros. A cidade era utilizada como refúgio durante a ataques. E na época, eles pretendiam que o vilarejo estivesse abandonado, escondendo-se na cidade subterrânea. Tinha espaço até para os animais (vacas, cavalos). Cozinhas, lugar para produção de vinho, igrejas, etc.

Na volta passamos pelo Vale dos Pombos. Várias chaminés com umas janelinhas. Eu achava que o nome de pombal fosse no sentido figurado. Mas não é. As janelinhas foram feitas para que os pombos pudessem viver lá, aos milhares, para fertilizar o solo. Algum infeliz tinha que escalar os lugares e recolher os escrementos. Hoje em dia estão proibidos de criar pombos.

Também visitamos o Vale Rosa. Formações rochosas de cor de rosa, muito lindas.

Finalizados com Göreme voltamos para Alanya.

http://prikoh.multiply.com/photos/album/81

http://prikoh.multiply.com/video/item/13

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Istanbul


Ao contrário do que muita gente pensa, Istanbul não é capital da Turquia.
Ankara sim, é a capital e fica mais no interior do país, algo tipo Brasília e Rio de Janeiro vá.

Fundada a mais ou menos no ano 1000AC, a cidade dos "7 hills", foi palco da guerra de Tróia, batizada de Bizantinum no ano de 657 AC, rebatizada de Constantinopla no ano de 330 DC, tendo com religião oficial o Cristianismo durante o império Romano. No ano de 565 Aya Sofya é o centro do Cristianismo Ortodoxo, . Em 717 vem a era do iconoclasmo, (contra o culto de imagens). Cidade anfitriã das cruzadas. E enfim, hoje Istanbul, brilha e vive entre dois continentes.
É uma cidade repleta de gatos, para todos os lados. Em todos os lugares.
O único ponto negativo para mim foi não poder dormir. Devido ao grande número de mesquitas e seus mega, ultra, hiper altofalantes para se comunicar com Allá durante suas cinco orações diárias, sendo uma delas tarde da noite e a outra no meio da madrugada.

Tratando-se de uma cidade tão antiga e rica em história é de se esperar que se tenha inúmeras atrações para se visitar.
Para começar fomos enrolados por agente de taxi no aeroporto, que nos levou 50 liras turcas para nos levar até o hotel, sendo que poderíamos ter gasto apenas 5,20 indo com o transporte público que parava na frente do nosso hotel e que o maldito disse que simplesmente não existia na área em que iríamos ficar.

Nosso hotel era em Sultanahmet, no coração de Istanbul. Praticamente dentro da Aya Sofya.
Com apenas um pulo, a gente estava, praticamente, dentro de qualquer um dos principais pontos turísticos.

No primeiro dia, passamos a tarde no Topkapi Palace (que ficava, literalmente, do lado do hotel).

No segundo dia visitamos a Blue Mosque, Aya Sofya e o Grand Baazar.

Algumas notas sobre as mesquitas constam no album do multiply (http://prikoh.multiply.com/photos/album/79)

O Grand Baazar é literalmente grande, rs. E você VAI se perder lá dentro (tanto que para achar um restaurante, tivemos que perguntar 3 vezes, tendo o mapa em mãos). Tem que se estar preparado psicologicamente para o assédio dos comerciantes. Sorria, ignore e siga andando. Se você não se interessa pelo produto do camarada nem se atreva a olhar para ele. Eu fiz a besteira de cometer um contato "zóio no zóio" com um vendedor de prata. Quase que o cara me seguiu até o hotel perguntando qual era meu "budget"para uma pulseira que eu nem queria. E para fazer o tio entender que eu NÃO queria a pulseira nem que ele me pagasse foi difícil. Mas nem todos são tão chatos assim. Alguns deles dá até pra conversar normalmente.
O bazar é dividido em áreas, tipo ouro, couro (eu nem sabia que a Turquia era famosa por couro), roupas baratas (entenda-se piratex), prata, luminárias, etc.
Eu acabei comprando umas lembrancinhas e duas encharpes de seda. Nessa, eu acho que fui engambelada pelo vendedor. Mas ele era bacaninha. Fez a ligação pro tio do chá e tudo.

No caminho da volta a gente entrou numa barbearia para o Anders cortar a cabeleira. Esse fato será dedicado ao próximo post :-)


No terceiro dia visitamos o museu arqueológico de Istanbul. Gigante e magnifíco.
Também visitamos a basílica cisterna. Impressionante. Construída em 532 pelo imperador bizantino Justiniano. Ela fica no subsolo e possui 336 colunas arranjadas em 12 fileiras. Pode comportar até 80 mil metros cúbicos de água.

No quarto dia fizemos um passeio pelo estreito de Bósforos. É legal ficar pensando que você está entre europa e ásia. A gente foi de barco até a saída para o Mar Negro. E voltamos pimbando de busão em busão. Mas valeu a pena. Passamos por alguns vilarejos interessantes.
http://prikoh.multiply.com/photos/album/80

Em seguida seguimos para a Capadoccia.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Turquia !



Voltamos de viagem nesse domingo ! Alegria de pobre dura pouco e nossas duas semanitas passaram voando.
A viagem se resume em muito calor (voltei menos branca para casa), muita comida boa, paisagens fantásticas e exuberantes e todo mundo perguntando se eu era turca, e não felizes com a resposta insistiam perguntando se minha mãe era turca, se minha avó era turca e por aí vai.

Passamos por algumas cidades, cortando o país pela metade, seguindo de sul para o norte.
O roteiro foi o seguinte: Antalya- Alania - Denzili- Pamukkale - Istanbul - Göreme e outras cidadezinhas da região da Capadoccia.

Antes de falar de cada lugar, algumas considerações podem ser feitas a respeito da Turquia. Digo Turquia porque certas coisas são iguais em todas as cidades, ou seja, trata-se de algo nacional e não regional.

O trânsito por exemplo. Se você é uma pessoa cardíaca não deveria em hipótese alguma andar de ônibus, táxi ou a pé. Não há regras de trânsito e pedestre não tem vez. Ninguém usa cinto, ninguém usa capacete. Todo mundo dirige a mil por hora, tanto que uma de nossas guias nos contou que uma vez estava a 90 Km/h numa rodovia onde o limite era 70, e foi parada pela polícia que pediu para que ela dirigisse mais rápido, porque estava segurando o trânsito. TODO mundo ama uma buzina, por qualquer motivo ou razão, ou na MAIORIA das vezes sem qualquer motivo ou razão. Dirigir na contramão (até mesmo no acostamento da rodovia) é super normal, além de pilotar a moto pela calçada e se você não for esperto suficiente para pular dentro da primeira loja de tapetes, acaba sendo atropelado.

Se acaso você se jogar dentro de uma loja de tapetes, prepare-se. O vendedor chega com aquela cara de "seu melhor amigo", pergunta de onde você, a quanto tempo chegou, etc, daí mostra o produto dele, desce todos os tapetes da loja na sua frente e fala da qualidade, da tradição, e aí ele te diz que o preço é tanto, MAS que para você, amigo de fé e irmão camarada, ele faz mais barato. Caso você realmente se interesse pelo produto, você deve oferecer a metade do preço camarada e o negócio vai e vem até se chegar num comum acordo. Se o preço não for o que você quer, simplesmente saia andando, porque o nego com certeza vai correr atrás de você. E caso ele perceba que você está mesmo interessado no produto, eles vão ligar para o “tio do chá”. Um telefonema misterioso e dois segundos depois aparece um tiozinho segurando uma bandeja com “çay” o chá deles, que é servido de graça num copinho de vidro, com pires e dois cubinhos de açúcar.

E se ao invés de se arremessar numa loja de tapetes, ouro ou porcelanas, você se arremessa num restaurante (ou mesmo na ausência do piloto da moto, os garçons vão tentar te puxar para dentro do rest deles ..), o cardápio pode ser uma infinidade de kebaps, tais como “döner kebap” (aquele igual churrasquinho grego da praça da Sé), “shish kebap” (vem no espetinho com legumes), kebap no cozido num pote de barro, entre outros ou um menu inteirinho a base de iogurte. Vai gostar de iogurte assim lá nas Tuquia, afe. A entrada pode ser uma sopa de iogurte com arroz, seguida de pão com patê de iogurte e alho, depois um ravióli turco chamado Manti com molho de iogurte e para arrematar, iogurte com frutas de sobremesa. E não feliz você ainda pode beber a tal da “água do iogurte”. Eu provei todos os pratos, não necessariamente nessa mesma ordem ... e essa água do iogurte ... simplesmente arrrgh !

Enfim, vou postar algumas fotos agora no multiply com algumas descrições, fica mais fácil falar das coisas com a foto na frente. Depois eu volto aqui para postar um pouco de cada cidade por onde passamos.

:-)

terça-feira, 3 de junho de 2008

38

Se 29 era quente imaginem 38C (nesse teclado nao tem virgula. mas tem essas letras legaıs ş ğ rs)
Chegamos a Antalıa. A cıdade nao é la aquelas coısas. Trata-se de um gıgante complexo de hoteıs para escandınavos e alemaes.
Os doıs prımeıros dıas fıcamos estendıdos na praıa. A prıncıpal delas chama-se Cleopatra. E foı dada de presente a mesma acho que por Julıo Cesar. A agua eh lında e o fundo dela nao eh de areıa mas sım de pedra. Mas nao pedrınhas e sım um bloco ımenso de pedra cheıo de alga ou musgo seı la escorregadıo.
Hoje vamos a um bazaar e a um haman (casa de banho turco) onde eles te esfregam e fazem massagem. Dızem que cerca de 150 gramas de pele morta saı de vc heheeh eh bom para emagrecer entao ?! Enfım vamos la ver como eh que eh.
Ah aquı todo mundo é ' my frıend'. Aguenta esses negos tentando vender a mae e perfume bom e 'orıgınal' por 3 euros. Aham ...
Fora ısso ja me perguntaram umas 3 vezes se eu sou turca e muıtos se dırıgem a mım falando em turco. Eu tenho cara de qualquer coısa menos de brasıleıra. Vıajando pela amerıca do sul ou eu era argentına ou espanhola. Aquı sou turca.